.

.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Vereador Jarlis Adelino Participa de Reunião na Capital Maranhense em Busca de Empregabilidade Para o Povo Açailandense

Diretores da VALE Alex e Dorgival(no centro da foto o Vereador Jarlis Adelino

Hoje 22, o Vereador Jarlis Adelino participará de reunião com o Presidente da FIEMA Sr. Edilson Baldes na sede da entidade em São Luis-MA, para Apresentar plano de fortalecimento Industrial de Açailândia, já que o parlamentar tem reunião pré agendada em São Paulo para o próximo dia 29 com os Diretores da Confederação Nacional da Indústria CNI, em pauta a EMPREGABILIDADE do povo açailandense.Agenda está foi construida com apoio do Deputado Federal Aluisio Mandes.
A FIEMA é sem dúvida um ator importante nessa reunião, o setor Industrial já começa a sentir reflexos da luta do vereador Jarlis Adelino (PMN) e das entidades envolvidas de forma direta, o setor vem aos poucos retomando o crescimento com novas contratações e projeções favoráveis de produção de Ferro Gusa e Aço, a prova disso são as novas contratações que o setor vem fazendo nos últimos dias, consequentemente o Comércio local também será favorecido pelo aquecimento econômico em curto prazo. 
Ontem à tarde 21, em São Luís-MA, o vereador esteve reunido com diretores da MINERADORA VALE, e saiu satisfeito da reunião, após posicionamento da empresa que se demonstrou preocupada com o setor industrial e se colocou a disposição para buscar alternativas possíveis para contribuir através de parcerias com as siderúrgicas para que seja refletido ao povo açailandense no sentido de revitalizar o polo siderúrgico de Açailândia.
A VALE tem ciência da importância do setor siderúrgico para o desenvolvimento da região, durante a reunião a VALE apresentou outras frentes de exploração mineral que podem ser fornecidos em potencial pela MINERADORA como o níquel e o Cobre para beneficiamento industrial, São novas oportunidades que surgem nesse momento, cabe agora canalizar essas oportunidades e transformar isso em riqueza econômica e social, durante a nossa reunião que irá acontecer em São Paulo na Sede da Confederação Nacional da Indústria, iremos apresentar essas novas oportunidades de investimentos para empresários do Brasil, teremos a oportunidade de mostrar o potencial logístico e Industrial que Açailândia já possuí, as Entidades STIMA, ACIA, SICA e CDL e o SICAM por meio de suas diretorias tem sido parceiros o SICAM sendo o setor com mais demissões vem com atuações itinerantes sempre no intuito de contribuir com recuperação econômica e social da região, essa união e dedicação, vem fazendo a diferença, quero aqui agradecer a confiança dos colegas vereadores que vem nós dando apoio uma vez que fui indicado pelos vereadores a ser o presidente da comissão permanente da Indústria e comércio da Câmara Municipal de Vereadores de Açailândia-MA, bem como o Prefeito Juscelino Oliveira que tem se posicionado de forma atuante e parceiro nessa luta tão importante para o nosso povo.
Disse o Vereador Jarlis Adelino.

Fonte: ASCOM/Jarlis Adelino

sábado, 19 de agosto de 2017

TCHAU TCHAU ACIARIA CEVITAL NO ESTADO DO PARÁ

 TCHAU TCHAU CEVITAL! Estado e Vale dão ultimato à empresa Argelina

Nos últimos meses o Parlamentar Jarlis Adelino e Entidades lutavam junto a Mineradora VALE para que as condições econômicas propagadas pelo Governo do Estado do Pará fossem aplicadas para as Indústrias Siderúrgicas Maranhenses, uma vez que o Governo do Estado do Pará publicou em seu site oficial  que a Mineradora VALE estaria disposta a fornecer Logística e minério de ferro a custos de produção, essa atitude se fosse tomada, provavelmente seria o ultimato para o fechamento das indústrias siderúrgicas ainda em operação no estado do Maranhão, sendo o município de Açailândia no estado o mais afetado por esse acordo.
Uma frente tarefa foi montada pelo STIMA, SICAM, ACIA, SICA e CDL e CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE AÇAILÂNDIA, para o enfrentamento da problemática sobre a eminencia do acordo entre Governo do Estado do Pará, VALE e CEVITAL. 
denuncias foram feitas em órgãos Municipais, Estaduais e Federais bem como a união das entidades de classe, agora chega a confirmação dada pelo Jornal Correios de Carajás, jornal "paraense".
A Denuncia causou repercussão nacional, politicos do estado do Maranhão se manifestaram sobre o assunto, entidades se uniram e agora chega o resultado dos trabalhos.

Não tínhamos e não temos a intenção de prejudicar o Estado do Pará nem muito menos nem município do Estado, à receber investimentos, o que procurávamos era a igualdade no tratamento econômico propagado pelo " Acordo" entre a CEVITAL e a VALE, acordo defendido pelo Estado do Pará. As Indústrias Siderúrgicas do Estado do Maranhão em especial as de Açailândia fazem parte do Projeto Grande Carajás, um corredor de desenvolvimento e devem ser tratadas por igual todas as empresas que compõem esse projeto, as indústrias do Maranhão muito menos as de Açailândia não suportariam a coocorrência no mercado devido a disparidade de preços oferecidos pela VALE para a CEVITAL, não poderíamos ter ficado de braços cruzados e fomos a luta, em busca da defesa do povo maranhense e dos açailandenses os resultados começam a aparecer, o setor siderúrgico começou a reagir nos últimos dias, o setor econômico de Açailândia dará sinais de recuperação ainda em 2017  disse o Vereador Jarlis Adelino.
FONTE: Assessoria Vereador Jarlis Adelino            

confira a matéria vinculada no jornal na integra.
     

Projeto da Cevital, assim como da Alpa, não saiu do Plano 3D. Agora, estão elaborando uma nova “Alpinha”

Demoraram cerca de dois anos o namoro e o noivado entre o governo do Estado/Vale com a empresa argelina Cevital, que se mostrou interessada em implantar uma siderúrgica em Marabá, no local que estava reservado para a Alpa (Aços Laminados do Pará). Os três estão fazendo uma DR (Discussão da Relação) que começou entre quatro paredes há alguns meses e agora se tornou pública.

O próprio Adnan Demachki, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, que conduz o processo de negociação com a Cevital e Vale desde o início, esmoreceu e já fala publicamente que as chances de o negócio “miar” são grandes. Isso porque os argelinos da Cevital insistem em implantar a siderúrgica em Barcarena, onde há porto e o negócio é mais rentável, e não em Marabá.

Ontem, quinta-feira, 18 de agosto, durante audiência pública em Marabá para discutir a Ferrovia Paraense – outro sonho alto do governo do Estado – ele mesmo tocou no assunto em tom melancólico e disse que os argumentos da Cevital são justificáveis do ponto de vista econômico, mas que o governo do Pará retiraria os incentivos fiscais que prometeu e a Vale alegou que não venderia mais minério de ferro a preço abaixo do mercado.

É que tanto o governo do Estado quanto a Vale têm dívida com a região sudeste do Pará. O primeiro porque não investe nem 5% do Orçamento do Estado nesta região e a mineradora porque prometeu implantar a Alpa, abandonou o projeto e agora quer encontrar uma saída para a falsa expectativa que criou na população de Marabá e região.

Demachki disse que aceitou a sugestão da vereadora Irismar Melo, de Marabá, que havia proposto que o Estado buscasse outras alternativas de investidores para o setor de siderurgia e ocupar o terreno da extinta Alpa. “Naquele momento eu respondi que não poderia atropelar a negociação que estava em curso e que precisávamos esperar a decisão dela (Cevital). Mas agora é outro momento e como criamos uma modelagem, as coisas ficarão mais fáceis. As empresas terão preços mais competitivos, haverá ZPE, incentivos fiscais do Estado, terreno de graça. Como os argelinos disseram que querem ir para Barcarena, não estamos mais fazendo reserva para eles”, disse.

UM NOVO PROJETO

Segundo Adnan, depois que o negócio com a Cevital “esfriou”, a Vale está trabalhando com bastante dedicação em busca de um parceiro que queira implantar uma siderúrgica em Marabá e que possa produzir cerca de 1 milhão de toneladas de aço. O foco seria diferente, porque a Cevital planejava produzir 3 milhões de toneladas de aço para exportação, enquanto a nova proposta que estão sendo articulada, toda a produção seria para abastecer o mercado interno. “Quero dizer que a Cevital ainda está analisando o projeto, não está descartado. Só que agora temos essa outra possibilidade”, disse.

As reuniões neste sentido iniciaram há cerca de três semanas, segundo o secretário de Estado, com a participação do presidente da ACIM (Associação Comercial e Industrial de Marabá) Ítalo Ipojucan Costa. Disse que a Vale resgatou o projeto original da Alpa e contratou uma empresa para fazer novos estudos, com no mínimo 700 mil toneladas por ano, podendo chegar a 1 milhão de toneladas. “Estamos convencendo a Vale para que ela seja uma das parceiras desse projeto. Inicialmente, o governo estava buscando empreendedores, agora é a Vale quem está nesta função. No momento em que a Vale viabilizar a siderúrgica para Marabá, ela volta a receber incentivos fiscais”, argumenta Adan.

O secretário de Estado disse que espera que em poucos meses traga representantes da própria Vale em Marabá para alinhar com a empresa o projeto da siderúrgica “que nós desenterramos”.

MENOS EMPOLGADO

O prefeito Tião Miranda, no mesmo evento desta quinta-feira, também se mostrou cético em relação à vinda da Cevital para Marabá. Disse que todo empreendedor quer tudo para fazer investimento e fazer uma siderúrgica perto do porto, que fica mais fácil para importar e exportar. “Já estive mais empolgado com a Cevital, e hoje não estou mais. É hora de nos unirmos para cobrar da Vale. Ela não tem expertise em siderúrgica e nunca teve interesse em desenvolver o Pará. A Vale se beneficia com a Lei Kandir, que a isentou de imposto para poder exportar. Mas, ao mesmo tempo, pode ser parceira com investimento em outra siderúrgica em Marabá”, pondera o prefeito. (Ulisses Pompeu)

Fonte: https://www.correiodecarajas.com.br/post/tchau-cevital-estado-e-vale-dao-ultimato-a-empresa.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Previsões Apontam a Retomada do Crescimento No Setor Siderúrgico em Açailândia Ainda em 2017

O Vereador Jarlis Adelino (PMN), por muitos anos esteve a frente do STIMA Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Açailândia e Região Sul do Maranhão, acredita no refortalecimento do setor industrial de Açailândia e consequentemente a retomada econômica do município com fortalecimento no comercio local ainda em 2017.
O Motivo se dá pela Luta do Parlamentar e seus pares, bem como o esforço de empresários, políticos maranhenses na esfera Estadual e Federal, com participação ativa da Assembleia Legislativa do Estado através dos Deputados Sergio Vieira e Eduardo Braide, Deputados Federais como: Hildon Rocha e Aluisio Mendes, através dos Senadores João Alberto e Roberto Rocha, outro fator favorável é a retomada de preços do ferro gusa no mercado mundial.  
O Parlamentar juntamente com entidades do Municipio de Açailândia como Câmara Municipal, STIMA, SIFEMA, SICAM, SIMPRA, ACIA, SICA e CDL e FIEMA, tomaram algumas medidas na tentativa de fortalecimento do setor industrial de Açailândia.
Foram Realizadas Audiências Publicas no Municipio de Açailândia com participação ativa dos Deputados Estaduais Sergio Vieira e Eduardo Braide, para tratar da empregabilidade após o fechamento total das siderúrgicas Guarany e Pindaré do Grupo Queiroz Galvão, depois da venda dos ativos florestais para a empresa SUZANO PAPEL E  CELULOSE.
Presidente do STIMA Antonio Brito, Senador Roberto Rocha e o Vereador Jarlis Adelino, na Segunda Foto: Brito, Claudio Queiroz, Ex Presidente José Sarney e o Vereador Jarlis Adelino
A Câmara de Vereadores de Açailândia e Entidades assinaram a carta alerta ASSIM NÃO VALE, elaborada pelo STIMA e SICAM realizaram o alerta através dessa denuncia  direcionada a Companhia Mineradora VALE  em relação a implantação da Indústria estrangeira CEVITAL, que estaria prestes a ser construida no município de Marabá-PA com capacidade 5 vezes maior que a Aciaria Gusa Nordeste AVB em Açailândia, onde a VALE e o Governo do Estado do Pará dariam condições produtivas diferenciadas para alavancar o projeto CEVITAL no interior do estado.
Com oferta de minério de ferro a custo de produção atraiu a empresa Argelina CEVITAL para o Municipio de Marabá-PA, uma diferença de preço desleal comparadas com o preço do minério de ferro vendido para as indústrias siderúrgicas do Maranhão, uma difença de aproximadamente 1000% (mil por cento) com isso teríamos eminencia da falência do setor siderúrgico no Maranhão, a Carta foi protocolada junto a Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão, Bancada Maranhense de Senadores e Deputados Federais em Brasilia-DF, CADE, OAB/Nacional, Ministério de Minas e Energia, Ministério do Trabalho e Emprego, a VALE foi notificada oficialmente sobre a CARTA ALERTA na própria Sede Mundial da empresa que fica no Estado do Rio de Janeiro, através dos parlamentares Jarlis Adelino e Heliomar Laurindo.
Diretoria da FIEMA
Na ultima semana o Vereador Jarlis Adelino, foi informado que está previsto para o fim de dezembro de 2017 a inauguração definitiva da Aciaria Gusa Nordeste, que terá sua capacidade produtiva concluída, podendo ofertar laminados ao mercado nacional e internacional, após a confirmação da inauguração o Vereador Jarlis Adelino juntamente com o Presidente do SICAM - Sindicato da Indústria de Reflorestamento de Madeira para Carvão e Papel Celulose, foram a Brasília-DF se reunir com o Deputado Federal Aluisio Mendes, para tratar de agenda com o Presidente da CNI Confederação Nacional da Industria Sr. Robson Braga, agenda está pré agendada para acontecer no próximo dia 29 de agosto, para apresentarmos o projeto AVB - Aço Verde do Brasil para a diretoria da CNI, participará dessa reunião o presidente do Grupo Ferroeste, Presidente da FIEMA, Presidente do STIMA, Presidente do SICAM, o Secretario Municipal de Industria e Comercio, Sr. Claudio Azevedo Presidente do SIFEMA o Presidente da Câmara Municipal de Açailândia Ceará e o Vereador Jarlis Adelino Presidente da Comissão Permanente da Indústria e Comercio da Câmara Municipal de Vereadores de Açailândia, contaremos com a presença ativa do Deputado federal Aluisio Mendes.
Na oportunidade iremos apresentar exclusivamente o potencial produtivo da cadeia Industrial do setor Siderúrgico com produção de ferro gusa e aço de Açailândia, para que a CNI fomente indústrias nacionais e internacionais que utilizam o aço como matéria prima de transformação, apresentaremos outros atrativos ofertados pelo município de Açailândia como mão de obra qualificada em montagens industriais de pequenos e grandes portes, localização geográfica favorável para escoamento da produção para o Brasil e o Mundo através das BRs 222 e 010, Linhas de Ferro Carajás e Norte Sul, grande redes hoteleiras, agencias bancarias, internet de qualidade, comercio forte entre outros bons atrativos que o nosso município já oferece.    
Ver. Jarlis Adelino
Tenho me empenhado muito para que Açailândia retorne aos trilhos do desenvolvimento, estamos passando por momentos difíceis no município que jamais tínhamos passado, porém Açailândia diferente de muitos outros municípios, temos chances reais de recuperação econômica a curto prazo, com a retomada de produção de Aço e consequentemente novos investimentos serão agregados a esse empreendimento através de indústrias secundárias, com o fortalecimento do comercio local, o Prefeito Juscelino Oliveira também tem demonstrado efetivamente a vontade de ver a retomada do crescimento do setor siderúrgico, demonstrou isso com o projeto de Lei que reduziu impostos para indústria do setor siderúrgico bem como a Câmara de Vereadores que vem lutando em prol da empregabilidade do nosso povo açailandense; Acredito que iremos nos próximos meses ofertar novas vagas de empregos para o povo de Açailândia disse o Vereador Jarlis Adelino após sua chega em Açailândia no dia 14 de agosto, durante entrevista realizada na Radio Sorriso 104,7 FM no programa do Isisnaldo Lopes.

Fonte: Assessoria Vereador Jarlis Adelino

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Replika: app aprende com você para se transformar em um clone virtual


Já pensou ter “a consciência” aquele seu amigo ou parente que já se foi dentro de uma inteligência artificial? O aplicativo Replika se trata basicamente disso. A diferença é que você mesmo precisa interagir com o aplicativo a fim de criar um clone virtual seu, inteligente e capaz de raciocinar igual a você.
O aplicativo utiliza inteligência artificial para evoluir e ir adquirindo seus trejeitos na hora de conversar via texto. Com isso, seus desenvolvedores garantem que ele vai “aprendendo” a sua personalidade, podendo assim perpetuar a sua existência por toda a eternidade. Além disso, o robô inteligente tem uma função mais básica: permitir que pessoas tímidas ou inseguras tenham com quem conversar.

Isso é muito Black Mirror

Esse ar um tanto quanto sinistro tem muito a ver com o episódio “Be Right Back”, que abre a segunda temporada de Black Mirror, série da Channel 4/Netflix que trata justamente do quanto a tecnologia pode tomar formas bizarras em nossas vidas. Na série, Martha (Hayley Atwell) recorre a um serviço online que coleta todas as informações do seu namorado Ash (Domhall Gleeson) na internet e cria uma consciência virtual para ele.
Depois disso, eles começam a trocar mensagens e ela chega a instalar tal consciência em um boneco antropomorfo. A semelhança da Replika com o seriado não é à toa: ao serem criadas, as Replikas trazem uma espécie de consciência básica capaz de conversar com você sobre alguns assuntos; um desses assuntos é justamente a série criada por Charlie Brooker.
A primeira pessoa a usada no Replika foi Roman Mazurenko. Colega de quarto de Eugenia Kuyda, fundadora da Luka, a desenvolvedora do app, ele era um entusiasta de inteligência artificial e teve todo o seu histórico de mensagens trocado com Kuyda embutido em um bot que imitaria a sua personalidade — mais uma semelhança com a série.

Mais que robô, uma inteligência artificial

Para destacar as possibilidades tecnológicas do Replika, o gerente de comunidade do app Dmitry Pyanov pede que ele não seja chamado de “chatbot”, mas de “inteligência artificial”. Isso porque os chatbots, como aqueles usados por serviços de venda ou jogos na internet, seriam bem simples quando comparados com o aplicativo da Luka.
E é nesse sentido que ele trabalha também para aprimoramentos pessoais. “Ele permite que você tenha um espaço seguro para refletir e tentar entender a si mesmo um pouco melhor”, afirma Kuyda em entrevista à CBC News, do Canadá. “Ele está lá para você falar sobre qualquer coisa e para ajudá-lo a se sentir amparado e notado.”

Fase de testes

Por enquanto, o Replika ainda está disponível de forma restrita e é preciso de convite para completar o seu cadastro. Ele conta com versões para Android e iOS, então é só baixar, instalar e tentar fazer o seu cadastro. Para garantir o nome do seu “clone virtual”, você pode fazer uma reserva no site oficial do app.

Juiz de MT recebe salário de quase meio milhão de reais e diz: ‘é perfeitamente normal’

mirko-vincenzo-giannotte
  Facebook / Mirko Vicenzo Giannote / Reprodução
O juiz da 6ª Vara Criminal de Sinop, no Mato Grosso, Mirko Vincenzo Giannotte, recebeu em julho o valor bruto de R$ 503.928,79. As informações sobre o montante vultoso constam no Portal da Transparência. Mirko possui mais duas parcelas de igual valor para receber. O valor é resultado da soma: remuneração – R$ 300.283,27; indenizações – R$ 137.522,61; vantagens eventuais 40.342,96; e gratificações – R$ 25.779,95. Houve um desconto de R$ 88 mil.
Rebatendo qualquer especulação, Mirko Vincenzo explicou em grupos do Whatsapp que o pagamento obedece a correções dos últimos 10 anos de seu trabalho. O magistrado argumentou que o valor pago é referente à diferença de Entrâncias.
Em nota, o Tribunal de Justiça informa ainda que o pagamento foi autorizado pelo Conselho Nacional de Justiça.
Confira a mensagem do juiz:
“O q se pagou foi DIFERENÇA DE ENTRANCIA. Exemplo: Juiz de Porto dos Gauchos q atua em Rondonopolis, ou o de Sto Antonio q atua em Cuiaba, de maneira designada, sendo estas Comarcas de ENTRANCIA ESPECIAL, e as outras de PRIMEIRA ENTRANCIA. Ha uma diferenca de valor de subsidio pago entre a PRIMEIRA E OUTRAS ENTRANCIAS. Esse um exemplo. Nisso tudo tem a correcao dos ultimos 10 anos e todos os seus reflexos e verbas reflexas. Isso é perfeitamente normal, nao ilegal e nem mesmo imoral. Se partirmos do preceito generico de imoralidade, a JUSTICA TRABALHISTA vive conferindo ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE, HORAS EXTRAS, alem de VERBAS por DESVIO DE FUNÇÃO. Calcule vc que algumas destas verbas trabalhistas pagas sao bem generosas e sempre, evidente, alcancadas pelo beneficiario por intermedio de uma advogado, Profissao q exerci por 10 anos, ostentando a LIMPA FICHA PROFISSIONAL da ADVOCACIA, debaixo do OAB/MT 4673. Quanto a IMORALIDADE, assim nao creio, pq LEIS q jazem no cenário bem antes de eu ter nascido. Muitos q dizem asneiras foram forjados no seio de suas familias “amamentados” por esta “hoje dita imoralidade”. Fácil: elejam representantes p controlar esse “MANICÔMIO DE LEIS” q è a NACAO BRASILEIRA, inclusive c BELA REFORMA ADMINISTRATIVA e TRABALHISTA. Inclusive alguns “justiceiros” e “intelectuais de orelha de livros” de ultima hora, q jogam esse tipo de noticias ao vento, elegem representantes de que nada servem e as vezes, mama das tetas daquilo queba conveniencia deles para o fim especifico “nada tem de imoral”. Logo, nao seria justo e nem mesmo coerente alguns grupos de advogados, quero crer isolados, mas tentando fazer coro no meio de muitos, iniciarem a desenvolver teses medicres “de galera”, como q estivessem querendo servir um banquete para 250 pessoas, se utilizando de apenas 1 coxa de frango. E mais: tenho outras 2 parcelas iguais a receber. PROMETO q assim q sair mando COPIA do “HOLLERITH” para q nao percam os “seus valorosos tempos” em procurar ao invés de trabalharem e serem produtivos”.
Fonte: Olhar Direto

Restos mortais de humanos são encontrados dentro de jacaré

A SSP ainda não informou de quem são as partes humanas encontradas dentro do jacaré. Para os moradores da região, os restos mortais são de Adilson Bernardes de Oliveira, de 47 anos. Ele sumiu no dia 28 de julho, enquanto acampava com amigos à beira do rio.
"O dono do local contou que foi dormir, por volta de 22h [do dia 27 de julho], e quando acordou não viu Adilson. Ele procurou e encontrou os chinelos e um isqueiro perto do rio", contou o sargento dos Bombeiros Ronaldo Barbosa, que ajudou nas buscas.
Os militares foram chamados e fizeram buscas por terra, na margem e ao longo do rio, durante dois dias. No local, os militares viram mais de sete jacarés, sendo quatro adultos, com mais de 4 metros de comprimento.
Sem sucesso nas buscas, os Bombeiros relataram que os moradores resolveram capturar um dos jacarés e mataram o animal. Dentro dele, foram encontrados sacolas e restos mortais.
"Os moradores acreditam que os animais tenham devorado o homem. Os jacarés estavam com uma barriga cheia, desproporcional. Dentro do que foi morto, foram encontradas sacolas, e Adilson andava sempre com sacolas nas calças."
Caso semelhante
Em abril do ano passado, um jacaré foi morto em Araguacema, região oeste do Tocantins. Dentro da barriga do animal, moradores acharam restos mortais, que acreditavam ser de um homem desaparecido no rio.
Rogério Marques de Oliveira, de 41 anos, havia sumido no mesmo mês. Os Bombeiros procuraram por ele durante quatro dias, mas ele não foi encontrado. Parentes contaram à polícia que ele teria sido atacado por um jacaré e puxado para o fundo do Rio Araguaia.

Ministra do STJ: deputado não precisa dizer qual mulher “mereceria” ser estuprada

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) (Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)A ministra Nancy Andrighi, relatora no Superior Tribunal de Justiça (STJ) do recurso do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) contra decisão da Justiça de Brasília que o condenou a indenizar a colega Maria do Rosário (PT-RS), afirmou, nesta terça-feira (15), que não faz parte das funções dos parlamentares a emissão de juízo de valor sobre atributos femininos, sejam eles positivos ou negativos. "Para o desempenho de suas funções, um deputado federal não precisa se manifestar – ou, ao menos, não deveria precisar se manifestar – sobre qual mulher, seja uma colega de parlamento ou não, 'mereceria' ser estuprada", afirmou a ministra.
O voto de Nancy foi aprovado por unanimidade pela Terceira Turma do STJ, mantendo a condenação imposta a Bolsonaro por ofensas dirigidas a Maria do Rosário. Ele foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, em 2015, a indenizar a petista em R$ 10 mil por danos morais e a se retratar publicamente em jornais e redes sociais.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Deputada chamada de 'gostosa' está indecisa se aciona Conselho de Ética

PSDBA deputada Shéridan Estefany foi chamada de 'gostosa' durante a votação do processo contra o presidente Michel Temer 

Quase uma semana  depois de ter sido chamada de 'gostosa',  durante a votação do processo contra o presidente Michel Temer, a deputada  Shéridan Estefany (PSDB/RR) não sabe ainda se quer ou não conhecer o autor do comentário sexista.

Na manhã desta terça-feira, a assessoria de imprensa da deputada disse ao em.com.br que  Shéridan está pensando se vai ou não ao Conselho de Ética da Câmara para  identificar o autor do gracejo e processá-lo por quebra do decoro parlamentar.

Em primeiro mandato, a deputada não compareceu, na última quarta-feira (2), quando a Câmara arquivou por 263 a 227 a denúncia de corrupção passiva contra Temer.

Beleza

Shéridan, 33 anos, cumpre seu primeiro mandato,  tem duas filhas e já foi casada com o ex-governador  de Roraima José de Anchieta Júnior.

Não é a primeira vez que os dotes físicos  de Shéridon são motivo de dor de cabeça para a parlamentar. Em abril do ano passado, circularam nas redes sociais fotos de uma mulher de biquini, que foram identificadas como sendo  da deputada.  (veja imagens abaixo e compare)

Reprodução/Facebook

Volkswagen investe R$ 2,6 bi para fazer Polo e Virtus



Novos hatch e sedã entram em produção na fábrica Anchieta

PEDRO KUTNEY, AB

Volkswagen começa a montar o novo Polo na fábrica Anchieta, que completa 60 anos de atividade em São Bernardo do Campo (SP)
A Volkswagen confirmou investimento de R$ 2,6 bilhões para desenvolver e produzir os novos Polo e Virtus na fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP). O aporte marca a chegada na primeira planta da empresa fora da Alemanha, que este ano completa 60 anos de atividades, da mais moderna plataforma modular do Grupo VW, a MQB, sobre a qual são construídos os dois carros, entre cerca de 20 modelos. Os recursos fazem parte do programa de R$ 7 bilhões em curso que a montadora aplica no Brasil para o período 2016-2020, com objetivo de renovar completamente sua linha de produtos no País.

É a segunda vez que o Polo traz investimentos expressivos para a antiga planta da Volkswagen: a primeira vez foi em 2002, quando foram aplicados R$ 2 bilhões (valor superior ao de hoje se descontada a inflação) para inaugurar o que na época foi chamada de “Nova Anchieta”, que recebeu 400 novos robôs e linhas de produção modernas para fazer a quarta geração do hatch, produzida em São Bernardo até 2014. Agora o Polo retorna em sua sexta geração – já apresentada na Europa – para ser montado na mesma linha inaugurada pelo modelo há 15 anos.

Desta vez o Polo tem responsabilidade ainda maior do que já teve no passado recente, pois inaugura “uma nova Volkswagen no Brasil”, segundo destacou o presidente da empresa na América do Sul, David Powels, em seu discurso para funcionários, autoridades e fornecedores na segunda-feira, 14, em cerimônia realizada na fábrica que marcou o início da produção comercial das primeiras unidades do hatch, que só será lançado na rede de concessionárias em novembro. “A renovação completa de nosso portfólio de produtos terá início com o novo Polo. Ele será mais que um carro. Será o embaixador de uma nova Volkswagen”, disse o executivo. A variante sedã do modelo, o Virtus, vem a seguir, com previsão de vendas no início de 2018, e mais adiante a mesma plataforma MQB será usada para a produção de um novo SUV e uma nova picape em São José dos Pinhais (PR).

ESTRATÉGIA PRODUTIVA


Volkswagen fez evento na planta Anchieta para marcar o início da produção comercial do novo Polo

Para acomodar Polo e Virtus em São Bernardo, há pouco mais de um mês a Volkswagen transferiu toda a produção do Gol para sua fábrica de Taubaté, no interior de São Paulo (leia aqui) e cancelou a redução de jornada de trabalho na planta (leia aqui). Assim, a Anchieta produz atualmente em larga escala somente a picape Saveiro, montada na mesma linha onde já começou a ser feito o Polo e que também receberá o Virtus até o fim do ano.

Powels destacou que o investimento só foi possível após o acordo de cinco anos com os trabalhadores de todas as fábricas da Volkswagen no País, que inclui estabilidade e reajustes salariais programados. “Isso mostra a maturidade da relação da empresa com os sindicatos”, disse. Contudo, não será necessário fazer novas contratações para produzir Polo e Virtus na planta Anchieta, que hoje opera em dois turnos. “Com a queda de 40% do mercado nos últimos anos a produção caiu muito. O que queremos é trazer os trabalhadores que estão em layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho) para voltar a operar em três turnos aqui”, afirmou o executivo em rápida entrevista a jornalistas após a cerimônia na fábrica. O executivo não soube precisar quantos funcionários da unidade estão afastados no momento, disse que é algo entre 200 e 300 pessoas.

A meta de nacionalização de componentes do Polo é de 75%. “Devemos começar um pouco abaixo disso, mas logo esse índice vai aumentar”, disse Powels. Segundo ele, a expansão da montagem de carros da Volkswagen sobre a plataforma MQB no Brasil deve marcar a “construção de uma parceria de longo prazo com os nossos fornecedores, que têm papel fundamental para a produção de novas tecnologias mundiais, aumento do conteúdo local e ganhos de escala”, completou.
Tags:

Inglesa possui doença rara que a deixa excitada o tempo todo


Créditos: lekcej/iStock
A desordem de esordem de excitação genital persistente traz uma série de transtornos a vida do paciente
Muitos homens reclamam que suas mulheres e companheiras não querem fazer sexo. Os parceiros de Amanda McLaughlin, de 23 anos, no entanto, reclamam do contrário.
Pode soar engraçado para muitos, mas não para Amanda McLaughlin, que desde os 13 anos sofre com uma doença rara que a deixa constantemente excitada, o que a faz pedir para ter relações sexuais com o parceiro sempre que possível. As informações são do UOL.
Por anos, Amanda e a mãe ficaram sem conseguir saber o que ela tinha de errado, já que a jovem era praticamente incapaz de trabalhar e mesmo sair de casa por causa de sua condição.
Em 2013, a jovem foi diagnosticada com uma desordem de excitação genital persistente na qual ainda se sabe muito pouco. A condição pode afetar mulheres de qualquer idade e, no caso de Amanda, a faz sofrer fortes dores nas pernas e nos músculos pélvicos.
À BBC, a jovem contou sobre o seu caso. "Quando eu tinha 13, 14 anos, percebi que havia algo de errado comigo. Mas ninguém deu atenção. E eu sempre dizia que queria sexo, queria orgasmo", lembra ela. "Dos 15 aos 18, me masturbava muito mais do que uma garota normal da idade".
A jovem também contou que chegou a sofrer muito preconceito, inclusive da família, que achava que Amanda era uma depravada sexual. "Achava que ela era hipocondríaca e que era tudo uma invenção. Hoje em dia me culpo muito por não ter acreditado na palavra dela", revelou Victoria, mãe de Amanda.
Atualmente, Amanda está noiva e tem contado com o apoio do noivo. "As relações são muito difíceis de manter, ainda mais com esta doença. Mas o JoJo e eu estamos juntos há mais de um ano e ele nunca me julgou", disse Amanda, que começou um tratamento novo desenvolvido nos Estados Unidos com 30 diferentes tipos de medicamentos para tentar diminuir o sofrimento causado pela desordem.

Após receber homenagem no Dia dos Pais, homem mata a mulher e a filha

Filho de 5 anos conseguiu fugir. Crime chocou a cidade de Guaraci, no interior de SP

Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook
O Dia dos Pais foi marcado por uma tragédia na cidade de Guaraci (SP) neste domingo, 13. Segundo a polícia, o agente penitenciário Ronaldo da Silva Corrêa, de 49 anos, matou a tiros a mulher, a professora Rosicléa da Silva, de 46 anos, e a filha Anna Victória, de 18.

O crime aconteceu durante a tarde na casa da família, no bairro São Vicente. Após atirar na mulher e na filha, Corrêa disparou contra a própria a cabeça e morreu à noite no hospital.

Antes do crime, a filha havia postado uma foto ao lado do pai com uma homenagem pela data. "Feliz dia dos pais, meu negão!", escreveu.

Na residência ainda estava outro filho do casal, um garoto de 5 anos que correu e pediu socorro. A Polícia Civil apura o caso e os corpos das vítimas serão sepultados nesta segunda-feira, 14. No local foram recolhidas a arma e 11 cápsulas de calibre 380 já deflagradas.

(Rene Moreira, especial para O Estado)

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Mais de mil bois morrem no Mato Grosso do Sul com suspeita de botulismo


Resultado de imagem para Mais de mil bois morrem no Mato Grosso do Sul com suspeita de botulismo
Mais de mil bois morreram nos últimos dias, em uma fazenda de Ribas do Rio Pardo, informou hoje (8) a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do Mato Grosso do Sul (Iagro). A suspeita é que tenham morrido de botulismo. As mortes ocorreram em uma única propriedade. Apesar desse tipo de doença não ser rara entre bovinos confinados, o número chamou atenção nacionalmente.
A morte do gado ocorreu na fazenda Mônica Cristina, entre 2 e 5 de agosto. Em nota, os produtores dizem que foram tomadas todas as providências cabíveis, como a convocação de  professores da Universidade do Mato Grosso do Sul para que examinar o rebanho e a agência foi notificada. Os procedimentos recomendados para os animais mortos também foramm  cumpridos.
"A fazenda produz 80% dos animais da categoria de novilho precoce, colaborando para produzir no estado a melhor carne do Brasil", diz o comunicado, assinada por Persio Ailton Tosi, que acrescenta: "É um caso isolado, não há o que se preocupar em termos de doença desconhecida ou qualquer epidemia".
O botulismo é uma toxinfecção, ou seja, o animal adquire a doença por meio da ingestão de toxinas produzidas por uma bactéria. A toxina atua na musculatura, impedindo a contração muscular, causando paralisia e levando a morte. Os sintomas aparecem de um a 17 dias após a ingestão do alimento contaminado.
Também em nota, a Iagro e a Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso do Sul, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) dizem que os ingredientes para a fabricação da ração na propriedade são de uso permitido por lei, "mas pode ter havido falhas na conservação, propiciando condições favoráveis ao desenvolvimento do Clostridium e, consequente, a produção da toxina".
Os órgãos informaram que estão sendo tomadas todas as medidas necessárias para identificação da causa, bem como a resolução do problema. O Mapa, por meio da assessoria de imprensa, informou que enviou equipe de técnicos ao local e deverá se manifestar quando houver mais informações.
O Departamento de Saúde Animal (DSA), ligado ao Mapa, disse que esse tipo de ocorrência não é raro em caso de confinamento de gado, "mas este chamou a atenção, devido ao grande número de animais mortos”. O Departamento diz, no entanto, que como não se trata de uma doença transmissível, "não é desencadeada uma ação de emergência. Somente a propriedade fica interditada até solução do problema".
Em nota, informou ainda que, neste caso, as suspeitas são de que a silagem de milho úmido que estava sendo fornecida ao confinamento estava contaminada com a toxina que causa o botulismo.
O DSA diz ainda que não recebeu comunicado oficial, a notificação foi feita na unidade veterinária local que fez o atendimento e pela investigação clínica e epidemiológica. A informação fica registrada no serviço veterinário oficial e os dados serão enviados ao DSA para compilação e comunicação de rotina aos organismos internacionais. No total, morreram mil e 100 animais.
*texto atualizado às 18h25 para acrescentar poscionamento do Mapa sobre o caso